quinta-feira, 22 de setembro de 2011

E foi ali naquele momento, no lado amplo e vago da escuridão de uma madrugada fria que percebi onde era o meu lugar. Que eu percebi onde eu realmente deveria (e queria) estar pela eternidade afora construindo histórias nas ruas vazias da cidade. E que nem o mais profundo filósofo saberia responder com tamanha exatidão o que um amante da vida sem luz saberia descrever...

Um comentário:

  1. Muito bom, muito bom! Se situar é um passo fundamental!

    beijos,
    Artur

    ResponderExcluir